Depois de conquistar dois bronzes nas chaves individuais do Mundial de Tóquio com Rafaela Silva e Mayra Aguiar, a seleção brasileira de judô voltou ao tatami da Nippon Budokan neste domingo para buscar mais um terceiro lugar, dessa vez, na competição por equipes mistas que também estará no programa olímpico em 2020. 

Com vitórias de Rafael Silva, Maria Portela, Rafaela Silva e Maria Suelen Altheman, os brasileiros bateram a Mongólia por 4 a 2 e garantiram o encerramento do Mundial com o judô brasileiro no pódio pela terceira vez.

BRASIL 4 X 2 MONGÓLIA - BRONZE

Na primeira luta, Rafael Silva Baby projetou Duurenbayar Ulziibayar por ippon e colocou o Brasil na frente. 

Rafaela Silva ampliou a vantagem em luta tática decidida nas punições contra Enkh-Otgon Losol. 

A Mongólia descontou com o ippon de Tsogtbaatar Tsend-Ochir sobre Eduardo Barbosa (73kg) na terceira luta. 

Mas, Maria Portela dominou Gankhaich Bold, forçou duas punições e projetou para marcar um waza-ari a poucos segundos do fim e fez o terceiro ponto brasileiro.

Rafael Macedo (90kg) poderia ter decretado a vitória com um quarto ponto para o Brasil, mas parou nas punições diante de Altanbagana Gantulga e a definição ficou para o último combate, entre Suelen Altheman e Munkhtseteg Otgon. 

A brasileira se impôs no combate, conseguiu projetar Otgon por waza-ari e logo conectou uma imobilização no solo para liquidar o duelo. Brasil quatro, Mongólia um e a seleção brasileira de judô fecha sua participação em Tóquio com três pódios, todos de bronze.

No individual, eles vieram com Rafaela Silva (57kg) e Mayra Aguiar (78kg).

BRASIL 0 X 4 JAPÃO - SEMIFINAL

A semifinal entre Brasil e Japão trouxe ao tatami da Nippon Budokan quatro campeões mundiais: Tsukasa Yoshida (57kg), Soichi Hashimoto (73kg) e Shori Hamada (+70kg) do lado nipônico, e a campeã olímpica e mundial do Brasil, Rafaela Silva. 

O confronto começou com uma surpresa na escalação do pesado feminino do Japão. Eles pouparam suas duas medalhistas do Mundial Individual, Sarah Asahina (bronze) e Akira Sone (ouro), e trouxeram a 78kg, Shori Hamada, vice-campeã mundial em Tóquio. Hamada usou a estratégia de levar a luta com Suelen, mais pesada, para o chão e finalizou imobilizando a brasileira. 

Em seguida, David Moura foi superado por Kokoro Kageura, que só veio ao Mundial para lutar a disputa por equipes. 

No terceiro duelo, Rafaela Silva entrou agressiva para buscar a revanche contra Tsukasa Yoshida, mas cedeu ao bom chão da japonesa que imobilizou Rafaela para fazer o terceiro ponto do Japão. 

Para fechar, Soichi Hashimoto, uma das estrelas da equipe e preterido no individual para dar lugar ao campeão Shohei Ono, projetou Eduardo Barbosa (73kg) duas vezes e sacramentou o quatro a zero para levar o Japão à terceira final consecutiva do Mundial por Equipes.

O Brasil ficou para a disputa de bronze com a seleção da Mongólia que derrotou Cuba na repescagem depois de vencer a China e perder para a Rússia.

BRASIL 4 X 1 AZERBAIJÃO - QUARTAS-DE-FINAL

Para chegar à semifinal, o Brasil precisou passar pela equipe do Azerbaijão que havia derrotado Portugal nas oitavas. 

Para esse duelo, os técnicos mudaram uma única peça na equipe para tentar surpreender o adversário e a estratégia deu certo. O 81kg Eduardo Yudy foi o escalado para a luta do 90kg no lugar de Rafael Macedo e projetou Mammadali Mehdiyev por ippon para abrir a contagem brasileira. 

Em seguida, Maria Suelen derrubou Iryna Kindzerska e concluiu a luta imobilizando a azeri para fazer dois a zero para o Brasil. 

Ushangi Kokauri descontou no peso pesado vencendo Rafafel Silva nas punições. Mas, Rafaela Silva (57kg) com ippon em Gultaj Mammadaliyeva, e Eduardo Barbosa (73kg) com outro ippon sobre Nijat Shikhalizada, liquidaram o duelo. Brasil quatro, Azerbaijão um, sem necessidade de Maria Portela entrar para lutar.

BRASIL 4 X 3 ALEMANHA - OITAVAS-DE-FINAL

No primeiro confronto, válido pelas oitavas-de-final do Mundial por Equipes Mistas, o Brasil enfrentou a Alemanha e começou perdendo três lutas seguidas. Giovanna Scoccimarro venceu Maria Portela nas punições, Anamaria Wagner projetou Maria Suelen Altheman por ippon e Eduard Trippel contra-golpeou Rafael Macedo para abrir três a zero para Alemanha. 

A reação brasileira começou com o pesado Rafael Silva "Baby" derrotando Johannes Frey nas punições. Em seguida, Rafaela Silva descontou também com vitória nas punições sobre Theresa Stoll e, para empatar Eduardo Barbosa venceu Anthony Zing, que foi desclassificado da competição com um hansokumake direto após entrada que colocou em risco a integridade física do brasileiro. 

Com o empate em três a três foi preciso sortear uma das seis categorias para luta extra. Para sorte do Brasil, o peso sorteado foi justamente o 73kg e Eduardo Barbosa sequer precisou lutar, já que Zing havia sido desclassificado da competição. Vitória de virada por quatro a três e vaga nas quartas-de-final do Mundial por Equipes.
 


Foto: Rafal Burza / CBJ | Fonte: CBJ Brasil